Yin-Yang – A força do sucesso com Florbela Silva

Florbela Silva

Nome: Florbela Silva

Idade: 42 anos

Profissão: Consultora de Mindfulness e Especialista de Medicina Tradicional Chinesa.

Local de trabalho: Porto, Vila do Conde

 

Perfil

Licenciatura em Eng Sistemas e Informatica pela UM; MBA Executivo pela PBS. Certificado em Medicina Tradicional Chinesa pelo IPN; Master em Acupuntura Bioenergetica e Moxibustao pela FEMC; Curso Avançado de Acupuntura e Moxibustão, pela WFAS. Especialista em Mindfulness, pela Escola de Desenvolvimento Transpessoal.

 

Curiosidades relativas a si…

Uma curiosidade: para fazer o curso de Medicina Tradicional Chinesa no IPN, frequentei 8 turmas diferentes em 3 pólos da escola: Coimbra, Porto e Braga. Isto aconteceu porque quando iniciei o curso apaixonei-me completamente, e não tendo disponibilidade laboral para frequentar o curso durante o dia, viajava nos primeiros anos aos fins-desemana para Coimbra para poder assistir às aulas e fazia também aulas durante a semana à noite no Porto e em Braga para compensar as aulas de quinta e sexta de feira da turma de Coimbra.

 

Fale-nos um pouco sobre si…

Adoro viajar, conhecer lugares diferentes, diferentes culturas, outras perspectivas sobre o Mundo. Ajuda-me a conhecer melhor os outros e a mim mesma. Todos temos dentro de nós mundos por explorar.

 

Porque escolheu a atual profissão…

Acima de tudo porque senti a necessidade de alinhar a minha essência com o trabalho no meu dia-a-dia: sentir que em cada dia posso ajudar o outro a se encontrar e descobrir dentro de si mesmo a forma natural de usar a sua energia e poder pessoal para viver uma vida em pleno.

 

No seu percurso profissional que experiências mais o marcaram?

Ao longo de 16 anos fui consultora e gestora de projectos na área das Tecnologias de Informação e houve vários momentos pessoais e de equipa marcantes, e que ao revê-los, vejo que em comum tiveram trabalho, dedicação e atitude de querer fazer melhor a cada dia. Desses 16 anos, 12 vivi em constantes viagens internacionais, havendo anos em que estive mais de 200 noites fora de Portugal, colaborando com pessoas de outros países, de outras culturas, desde a India aos Estados Unidos, passando pela França e pelo Brasil entre outros. Essas vivências foram marcantes pelo desenvolvimento pessoal que me proporcionou, pela abertura de horizontes e de fronteiras mentais. Ainda em ambiente corporativo, iniciei-me na área da formação e percebi como é especial para mim este papel de partilha de conhecimento, como ao faze-lo crescemos e aprendemos uns com os outros. Ao iniciar-me na área das terapias, marcou-me o contacto individual com cada um, com essa identificação e percepção da conexão, de que estamos todos ligados.

 

Como é que o IPN surgiu na sua vida?

Numa altura de procura por aquilo com o que me identificava, coloquei tudo em causa e comecei do zero. E foi ai, que em conversa com um amigo, ele me disse que um amigo dele tinha feito um curso muito interessante no IPN e que teria muito a ver comigo. Fui consultar a página da Internet do IPN, desloquei-me ao IPN Porto, interessei-me e inscrevi-me.

 

Como descreve o impacto do IPN na sua vida profissional?

O IPN permitiu a partir das aulas teóricas, das aulas práticas, dos estágios nas clinicas, dotar-me de várias ferramentas e conhecimentos, para me tornar numa especialista de Medicina Tradicional Chinesa. Para além disso, permitiu-me também seguir em frente nos meus objetivos, que fui descobrindo ao longo desta trajectória. O IPN é a instituição como um todo, do qual faz parte o corpo docente: os professores que fazem parte desta casa são especiais, e dão muito de si aos seus alunos, das suas experiencias, das suas vivências, fazendo-se presentes em todos os momentos. Sabemos que num curso de longa duração, muitos são os acontecimentos nas vidas de cada um, as mudanças que se dão, e os professores estão sempre lá, nos bons momentos e nos mais desafiantes. Assim, o impacto que alguns professores tiveram na minha vida profissional foi grande, enorme mesmo, pois ajudaram-me a sonhar e a dar força em seguir o meu caminho.

 

O que o/a motivou a seguir por um caminho de empreendedorismo, criando o seu próprio negócio?

Na minha família existem vários exemplos de empreendedorismo desde os meus Pais ao meu Avô, mas muito em especial a minha Avó, uma pessoal incrível, que sempre me inspirou e continua a inspirar apesar de já não estar entre nós.

 

Fale-nos um pouco sobre este projeto…

O projecto está em andamento, e vai criando forma a cada dia, a cada semana, a cada mês. Ao sentirmos que cada dia é vivido em pleno, sentindo-nos bem com o que damos, com o que recebemos, sabemos que estamos no caminho certo, e então “o caminho faz-se caminhando”.

 

Quais são, na sua opinião os maiores desafios e obstáculos na criação do nosso próprio negócio?

Acredito que os maiores desafios e obstáculos estão na mente de cada um: por vezes o medo de nos lançarmos e de não dar certo impede-nos de nos darmos de corpo e coração ao projecto; por outro lado o alinhamento interno com o que se faz: por vezes achamos que o nosso caminho é por um lado, mas não é bem isso que sentimos de verdade, lá no fundo, percebemos isso como alertas que sentimos dentro de nós e que se não forem escutados, mais à frente irão manifestar-se, e vão-nos impedir de ir mais longe; e outras vezes, com sonhos muito grandes não iniciamos porque nunca reunimos todas as condições que imaginamos e estas vão-nos servindo de desculpa para nunca iniciar, por isso, pode valer a pena iniciar devagar, com calma e determinação para crescer com mais força.

 

Uma sugestão, uma frase, um lema que possa motivar outros profissionais da área. Ou que mensagem deixam para pessoas que queiram ser empreendedoras e avançar com a sua ideia de negócio?

Vou parafrasear Steve Jobs que me serve de inspiração:

Your time is limited, so don’t waste it living someone else’s life.(…) Don’t let the noise of others’ opinions drown out your own inner voice. And most important, have the courage to follow your heart and intuition (…) The only way to do great work is to love what you do. If you haven’t found it yet, keep looking. Don’t settle.”, ou seja, ”O seu tempo é limitado, então não o desperdice a viver a vida de outra pessoa. (…) Não deixe que o barulho das opiniões dos outros afoguem a sua própria voz interior. E, o mais importante, tenha a coragem de seguir o seu coração e intuição (…) A única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que se faz. Se ainda não encontrou, continue à procura. Não se acomode.