Como Prevenir e Viver com o Cancro – A nossa Abordagem

O Cancro continua a ser o alvo da nossa maior atenção: quer pela sua gravidade, quer pela dimensão.

A oncologia tradicional enfoca o problema como uma afeção local e centra, exclusivamente, a sua localização (mama, ovários, próstata, pulmão, etc). A terapeutica oncológica específica, nomeadamente a quimioterapia e os fármacos assentam a sua atuação na missão de impedir a reprodução das células canceroras.

Atualmente, a abordagem no âmbito da terapêutica natural apela a uma intervenção mais holística e integral deste tipo de enfermidade.

Sem prejuízo de uma intervenção adequada a cada situação em particular, tendo em conta o estado do paciente e a sua evolução, temos como certo que cada vez é mais importante ter em conta a relação entre os sistemas imunológico, endócrino, nervoso e emocional, através de mecanismos bioquímicos.

Por isso, a terapêutica natural vê o cancro como uma doença multidisciplinar que necessita, acima de tudo, de prevenção e cujo tratamento pode desencadear vários tipos de intervenção, quer a nível metabólico, orgânico, mental e energético.

Daqui decorre que o enfoque terapêutico terá de incidir, sempre, com a atuação nos seguintes aspetos, quer a nível de prevenção quer de tratamento:

  1. Eliminar os fatores tumorais: tabaco; contaminação ambiental; produtos industriais; refinados; açucares; ondas eletromagnéticas, etc;
  2. Aproximação do indivíduo à natureza no seu estado mais puro: passeios pela montanha, oxigenação, ar livre, reforçar o lazer, etc;
  3. Cuidar a alimentação. A alimentação é, sem dúvida, um dos maiores responsáveis pelo desenvolvimento tumoral. A maior parte dos nossos alimentos estão desvitalizados, contaminados e desmineralizados. Além disso, a própria preparação dos alimentos, com demasiada cozedura, às vezes queimados, levam à criação de substâncias nefastas à saúde;
  4. Depurar o organismo é essencial para iniciar um tratamento natural. Fazer uma limpeza ou cura depurativa do organismo, eliminando os produtos tóxicos acumulados no organismo que influenciam, desfavoravelmente, a saúde do paciente. A realização de um jejum terapêutico, devidamente acompanhado pelo especialista, pode ajudar a consumir os depósitos tóxicos, a gordura, mantendo os tecidos mais nobres;
  5. Ter a coragem de optar por uma alimentação limpa. Para isso, o lema será “não comprar, se sabe que não deve comer”. Optar por alimentação correta é um passo essencial neste processo de desintoxicação e recuperação. Há que optar por alimentos crus e frescos, cultivo biológico, pouca cozedura dos alimentos e alimentos com vitalidade. Eliminar refinados, açucares e alimentos processados;
  6. Lutar contra a acidificação anormal e regular o equilíbrio ácido-base do organismo;
  7. Aporte de suplementos nutritivos em que se torna fundamental o recurso a antioxidantes que combatam os radicais livres que provocam alterações do ADN das nossas células. Dar ao organismo todos os nutrientes essenciais que necessita para poder funcionar na perfeição ou recuperar da doença, bem como específicos nutracêuticos que cumpram as seguintes funções: inibir a agiogénese e a consequente metastização, promover a libertação interna de antioxidantes e enzimas de desintoxicação, baixar a regulação de factores inflamatórios, modelar a função hormonal e anti-tumoral e reforçar o sistema imunitário.

http://www.drmarcos.net/cancro-nutrigenomica-na-prevencao-e-no-tratamento-do-cancro-muito-mais-do-que-uma-promessa.html

  1. A utilização de técnicas de relaxe, o reequilíbrio energético, a motivação e preparação para a mudança são aspetos essenciais.